Whatsapp: (33) 9 9122-2882

Portuguese English Spanish

EWÁ

Ewá é a única divindade do Panteon Afro-Brasileiro que só responde na Nação Gêge. Ela é a Senhora das Ilhas e Penínsulas, apresentando-se como uma guerreira e ao mesmo tempo como um Ninfa, ora segurando a serpente Encantada, ora empurrando a balança de sua justiça particular. Em quaisquer dos casos, ela carrega em si o mistério da Origem dos planetas água e Terra. Entre ela e Obá-Olokum(Olissassa), Senhor dos Oceanos, o equivalente a Netuno, existe o elo que liga a origem da vida à continuidade da mesma. Por esta razão, todas as pessoas que são filhos ou filhas de Ewá, tem uma missão espiritual ou social no contexto do país onde nasceu e a visão de tudo. Ewá é a rainha do céu estrelado e dona da Ilha de Santa Catarina.

 

O  HOMEM  DE  EWÁ

Muito difícil, este homem parece vacinado contra o amor. Geralmente alto, de aparência, atraente e comunicativo, ele acha que ninguém é digno de amá-lo e coloca o afeto em segundo plano. Toda essa auto-admiração transforma-se num bloqueio difícil de vencer. Mas pode-se tentar. Uma idéia é desafiá-lo para fazer coisas que nunca tenha feito antes. Tipo levá-lo a um restaurante escondidinho" ou a uma praia deserta. Outra tática - esta é a mais importante - é deixar bem claro que a admiração que se tem pelo seu corpo. Que ele próprio acha o máximo, mas que nem por isso faz dele um bom parceiro sexual. É que o filho de Ewá é passivo demais nesse assunto e será preciso agarra-lo na marra. Lembrando sempre de elogiar os detalhes do seu corpo, "o mais bonito do mundo".

A  MULHER  DE  EWÁ

Ela tem traços inconfundíveis: cabelos vistosos, cintura e quadris acentuados e proporções perfeitas. Num grupo pode chamar sobre si as atenções de imediato ou então retrair-se à espera de que a "descubram". De qualquer modo, pelo seu comportamento ou pela sua aparência física, a filha de Ewá nunca passará despercebida, porque é uma misteriosa de guerreira, ninfeta e serpente. Dominadora, inteligente, só se liga em homens também especiais, porque adora ser desafiada por adversários fortes. Sexualmente, seu ponto fraco é o pé, e sua grande arma, os beijos melosos. Como parceira erótica, tem grande versatilidade: gosta tanto de dominar o homem quanto de se submeter a ele.

  

Dia: Quarta-Feira

Número: 15

Côres: Branco, Marfim, Vermelho, Coral

Comida: Batata-da-Terra cozida com azeite doce

Saudação: Hi Ho Ewá!

Domínio: Ilhas, penínsulas

IRÔKO

IRÔKO

Orixá Irôko ou Yroko pouco cultuado no candomblé, mas um orixá muito respeitado pelos africanos, sendo um santo que representa a ancestralidade. Irôko representa o tempo. É a árvore primordial. A primeira dádiva da terra (Oduduwa) aos homens. Existe desde o princípio dos tempos e a tudo assistiu, a tudo resistiu e resistirá. Mesmo assim é pouco cultuado no candomblé brasileiro. Irôko é a essência da vida reprodutiva. Do poder da terra. Alguns mitos dizem que Irôko é o cajado de Oduduwa, a terra, que através dele ensina os homens o sentido da vida. É a permanência dentro da impermanência e impermanência na permanência. O ciclo vital que não muda com o transcorrer da eternidade. A infinita e generosa oferta que a natureza nos faz, desde que saibamos reverenciá-la e louvá-la. É também conhecido nos candomblés como “Tempo”, embora seja uma designação própria do rito angola. Diz o mito que no princípio de tudo, a primeira árvore nascida foi Irôko. Ele era capaz de muita magia, tanto para o bem quanto para o mal, e se divertia atirando frutos aos pés das pessoas que passavam. Quando não tinha o que fazer, brincava com as pedras que guardava nos ocos de seu tronco. Um dia, as mulheres de uma aldeia próxima ficaram todas estéreis, por ação das Iyamis oxorongás. Então elas foram a Irôko e pediram a fertilidade. Irôko, contudo, exigiu dádivas em troca, pois é preciso abrir espaço para receber dons, como é preciso perder as flores para receber frutos. As mulheres concordaram e prometeram muitos presentes. Uma delas, contudo, tendo como única riqueza seu filho, prometeu dar a Irôko esta criança. Quando engravidaram, as mulheres foram a Irôko e fizeram as oferendas. Menos a que prometera a criança, pois ela amava muito o filinho. Irôko ficou muito zangado e aguardou o dia em que a criança brincava ao redor dele e a raptou. Quando a mãe foi buscar a criança, Irôko lembrou a mulher de sua promessa, ameaçando matar o outro filho que lhe dera, caso ela retirasse “sua” criança dali. Então a mulher, desesperada, procurou o babalaô, que jogando os búzios sugeriu que ela mandasse fazer um boneco de madeira com as feições de uma criança, banhasse com determinadas ervas e quando Irôko estivesse dormindo, substituísse o a criança pelo boneco. E assim ela fez. Até hoje se pode ver, nas gameleiras brancas o bebê de Irôko, repousando deitado em seus galhos. Em suas copas vivem também as Iyamis Oxoorongás, as ajés (feiticeiras) da floresta.

 

OS  FILHOS  DE  IRÔKO

Os filhos de Irôko são tidos como faladores, ciumentos, camaradas, inteligentes, competentes, teimosos, turrões e generosos. Gostam de diversão: dançar e cozinhar; comer e beber bem. Apaixonam-se com facilidade e gostam de liderar. Dotados de senso de justiça, são amigos queridos, mas também podem ser inimigos terríveis, no entanto, reconciliam-se facilmente. Um grande defeito dos filhos deste orixá, sabido entre as pessoas que frequentam os terreiros de umbanda; é o facto de não conseguirem guardar segredos.

 

Dia: segunda-feira

Côres: branco, verde (ou cinza) castanho

Símbolo: tronco das árvores

Domínios: Ancestralidade

Saudação: Iroko Issó! Eró! Iroko Kissilé!

OXALUFÃ

OXALUFÃ

O primeiro orixá a ser criado por Olodumaré, o Deus Supremo. Foi encarregado de criar o Mundo. No entanto, embriagou-se no caminho por culpa de Exú, que lhe ofereceu Uti Nibé (vinho de palmeira)e sua missão foi cumprida por Oduduwá, que liderando um exército de Imalês(guerreiros) comandados por Ogum, criou o Mundo, cumprindo assim a ordem de Olodumaré. Em suas diversas mutações temos na Nação Ketu: Oxanguian, Oxalufá, Obatalá e Oduduwá. Na Nação Angola: Lemba. Lembarangaga e Guaratinhanha. Em todas elas é o Senhor da VIDA, também chamado "senhor da boa argila", devido a uma antiga lenda na qual Oxalá usava este material para criar os seres humanos.

O  HOMEM  DE  OXALUFÃ

Sentimental, amoroso, carinhoso e muito sensual; assim é o homem de Oxalá. Com todas estas qualidades, é natural que as mulheres se interessem por ele, que, de quebra, costuma ter uma bela aparência física. E o que é melhor, tem um ótimo papo. Rei das festas e reuniões sociais, ele costuma escolher mulheres de corpo bonito, mas principalmente inteligentes e dinâmicas. Só que jamais revela o interesse pela pessoa que o atrai. Para conquista-lo é necessário levar em conta essas dicas e não desanimar. Ele vale a pena. Também, porque sonha com uma mulher fértil que lhe dê filhos, brindará sua amada com uma vida sexual variada, cheia de climas, que realiza com criatividade e carinho.

A  MULHER  DE  OXALUFÃ

É a mulher ideal para qualquer homem: preocupa-se com ele, quer agradar e faz tudo para ajudá-lo a se projetar na vida. Não tem vergonha de dizer que ama, desde que realmente ame. A filha de Oxalá é rigorosamente sincera em tudo o que faz. Só que é tímida, o que significa que jamais disputará um homem com outra mulher, e nunca demonstrará abertamente o seu interesse por alguém. Talvez, por causa desta sua forma retraída de ser, chama a atenção dos homens mas se interessa apenas por aquele que for amável, romântico e um perfeito cavalheiro. Este se surpreenderá com sua sensualidade depois que ele tomar a iniciativa e poderá ficar seguro quanto à sua fidelidade: a mulher de Oxalá não é nem um pouco volùvel.

  

Dia: Sexta-feira e Domingo

Número: 10

Côres: Branco, Marfim, Pérola, Prata

Comida: Canjica branca cozida com mel e coberta com clara batida em neve

Saudação: Exeu, Epá Babá, Axé!

Domínio: Oceanos, Rios, Céus, Montanhas

 

 

OXAGUIÃ

OXAGUIÃ

Uma das mutações de Oxalá, ele é o jovem regente do coração, pulmão, membros e da circulação sanguínea, tendo como características fundamentais o domínio, a austeridade e o zelo. É a mais importante conjuntura do jogo de búzios e vem associada ao número 8, chamado de Ejonilé. Isso indica caminhos sem meio-termos, na base do tudo ou nada. Significa infinito em todos os sentidos: saúde, pobreza, sorte ou azar. Em sua origem lendária, Oxanguian foi o Rei de Ejigbo e ganhou fama por sua valentia. Gostava exageradamente de comer inhame triturado no pilão, prato que em Yorubá se chama Yan, o que lhe valeu o apelido de "orixá do Yan". Um dos seus principais símbolos é o pilão. Nas cerimônias religiosas, quando os filhos deles dançam, brandem um pilão e um escudo numa das mãos, e uma espada na outra. Durante as festas em sua homenagem, distribui-se a comida de sua preferência.

O  HOMEM  DE  OXAGUIÃ

Como resistir à sua postura, seu charme, sua elegância e sua voz rouca? É impossível para qualquer mulher, o que significa que aquela que pretende agarra-lo terá de enfrentar uma concorrência dura. Ele, por sua vez, terá sempre uma desculpa na ponta da língua para justificar suas conquistas. Não as leve em consideração. O mais provável é que tenha se lançado a uma nova aventura amorosa pelo simples fato de que é um cavalheiro e, como tal, jamais dirá não a uma dama. Mas há como dar o troco. Ele é ciumento e detesta concorrência. Portanto, o mais importante é nunca deixar que ele tenha certeza de que é a pessoa definitiva na vida de alguém.

A  MULHER  DE  OXAGUIÃ

Forte, independente e senhora de si. É assim que ela se apresenta por fora. Mas lá dentro, no seu íntimo, esconde-se uma outra mulher, que morre de medo de amar, mas tem a necessidade vital de encontrar um companheiro. Todo o resto é apenas uma "casca" que ela usa para se defender do amor. E chega a escudar-se em colegas e amigas para não ser notada. Mas fica difícil não reparar nela: é geralmente alta, de corpo bem proporcionado, olhar penetrante e um certo ar de indiferença no rosto. Para chegar até ela basta elogiar sua beleza e suas qualidades intelectuais. Aí, então, se tornará uma companheira dócil para homens machôes.

 

 

Dia: Sexta-Feira

Número: 08

Cores: branco e azul

Comida: canjica branca cozida com mel, coberta com azeite doce

Saudação: Exeu Epa Babá, Axé!

Domínio: Minas de Prata, Rios Quentes, Campos

 

 

OBÁ

OBÁ

Foi a terceira mulher de Xangô e sua Lenda fala de uma terrível rivalidade entre ela e Oxum, sua segunda esposa. Sabendo do apetite de seu marido, procurava sempre surpreende-lo com pratos de que gostasse. Um dia, Oxum resolveu pregar uma peça em Obá e apareceu usando um lenço enrolado em volta da cabeça, escondendo as orelhas. Disse que havia preparado suas orelhas numa receita muito especial, e servido a Xangô. Querendo agradar seu esposo, Obá resolveu imitar a rival. Cortou uma de suas orelhas e preparou a receita para Xangô. Ele ficou furioso, e Obá, percebendo que havia sido enganada, entrou numa violenta luta corporal com Oxum . Mais irritado ainda, Xangô fez explodir todo o seu furor. As duas mulheres, apavoradas, fugiram e se transformaram nos rios que levam seus nomes. No ponto onde esses rios se encontram, existem corredeiras e as ondas se agitam, numa lembrança da antiga disputa entre elas.

O  HOMEM  DE  OBÁ

O homem de Obá geralmente é alto, de boa aparência, atraente, comunicativo e narcisista. Ele não acredita que alguém possa amá-lo mais do que ama a si próprio. Isto porque ele ele descobriu seu corpo desde criança e por tal motivo passou a ter auto-admiração tornando-se aparentemente invulnerável até que apareça alguém que lhe mostre o que ele pensa sobre si. Por ser normalmente um homem socialmente realizado, costuma encastelar-se no que diz respeito ao campo sentimental. Desafiá-lo para coisas que nunca tenha feito, parece uma boa tática para se começar. Uma praia não muito frequentada, um barzinho distante e qualquer lugar que a pessoa possa ficar com ele. Sexualmente é um homem difícil pois aprendeu desde cedo a admirar-se e, por conseguinte, a não depender de ninguém nessa área. Portanto ele é virtualmente passivo. Deve-se elogiar seu corpo bonito e em seguida conquistá-lo com amor mais louco que se possa fazer. Pronto, ele está definitivamente conquistado um dos homens mais difíceis na área sentimental.

A  MULHER  DE  OBÁ

A mulher de Obá carrega consigo um dos maiores mistérios da origem humana. Ela é ao mesmo tempo uma guerreira, uma ninfa e uma serpente. Mesmo que ela tenha nascido no interior, sempre procurará um meio de se aproximar do litoral e, uma vez nele, procurará estabelecer o seu domínio em ilhas, penínsulas e praias abertas. Traz geralmente traços inconfundíveis em sua aparência. Os cabelos são longos, ou curtos no estilo "batidinho". Se for magra, realça uma forma acentuada de cintura e quadris, se for cheia, realça da mesma forma suas medidas. Em uma festa, ela age de duas maneiras específicas: ou destaca-se e atrai a atenção de todos ou retrai0se à espera de uma oportunidade de centralizar atenções. Por ser uma mulher diferente, gosta de colecionar experiências, as vezes desastrosas por causa de seu temperamento dominante. Seus pontos fracos são a projeção social, as festas nas quais possa se destacar e homens inteligentes. Jamais se ligará definitivamente a um homem medíocre, pois adora ser desafiada constantemente

  

Dia: Quarta-Feira

Número: 15

Côres: Rosa, coral, branco e marfim

Comida: Batata-da-Terra cozida em azeite doce e Amalá

Saudação: Obá Xiré Yá!

Domínio: Terra, ventos, redemoinhos

 

 

NANÃ

NANÃ

Divindade exclusiva da cultura Fanti-Ashanti, adotada posteriormente pela cultura yorubana. É a mais antiga Ayabá, originária da cidade de Late, em Gana. Nanã conserva consigo o segredo da criação do homem e da própria essência da vida, representando a memória transcedental do ser humano e seus antepassados. Sua origem lendária parece estar ligada aos povos que habitaram a África antes da chegada de Oduduwá. Por isso ela é a dona das águas paradas e dos pântanos, numa referencia às águas primordiais de onde Orunmilá criou a Terra. Nanan detêm o poder sobre os Eguns juntamente com Oyá e é a mãe de Xapanan.

O HOMEM  DE  NANÃ

De cada 500 homens que nascem, apenas um é filho de Nanan. Esta "estatística" já mostra que este é um tipo de pessoa especial do ponto de vista sentimental. É um homem bom, carinhoso, amigo e mão aberta quando se trata de cercar seu amor de cuidados. E isso é coerente com ele que gosta do que é belo, principalmente no que diz respeito à produção visual e é fã de uma vida social movimentada. Sexualmente, prefere parceiras passionais e precisa se sentir bastante desejado. Gosta de perceber se a pessoa amada sente ciúme dele mas não costuma ser feliz no primeiro amor, geralmente por culpa da pessoa com quem viveu. É certo também que tentará de tudo para conservar seu relacionamento e só desistirá dele quando sentir que não há mais saída .

A MULHER  DE  NANÃ

Capaz de tudo por um amor, embora na maior parte das vezes não demonstre isso à primeira vista, a filha de Nanan esconde também o seu lado erótico e sensual. Quem a vê, com aparência tranquila e distraída não imagina que para ela, sexo é uma prática sem limites. Seus pontos fracos são o ventre e os quadris, mas ela só revelará estes e outros segredos íntimos a um homem em quem confiar. E ele deverá preencher alguns requisitos: ser inteligente como ela, delicado, educado e um bom papo. Ela odeia o gênero machão, que a fará extremamente infeliz. O homem que a conquistar não terá do que se queixar: a mulher de Nanan é cúmplice e companheira em tudo e o fará muito feliz .

  

Dia: Terça-feira e Sábado

Número: 13

Côres: violeta, azul e branco rajado

Comida: Feijão fradinho cozido com mel

Saudação: Saluba Nanã, Axé!

Domínio: Pântanos,, igapós, charcos, lama

 

 

YANSÃ

YANSÃ

Senhora da Tarde, dona dos espíritos. Senhora dos raios e das tempestades. Oyá, mais conhecida no Brasil como Yansã, foi uma princesa real na cidade de Irá, na Nigéria em 1450a.C.. Sobrinha-neta do rei Elempe e neta de Torossi(mãe de Xangô), conquistou com valentia, coragem e dedicação seu caminho para o trono de Oyó. Conhecedora de todos os meandros da magia encantada, nunca se deixou abater por guerras, problemas e disputas. Foi mulher de seu primo Xangô e ajudou-o a conquistar vários reinos anexados ao Império Yorubano. Porém, abandonou-o em defesa de sua cidade natal, disposta a enfrentá-lo. Oyá é a menina dos olhos de Oxalá, seu protetor, e a única divindade que entra no Ibalé dos Eguns(mortos).

O  HOMEM  DE  YANSÃ

O filho de Oyá é como o vento: instável e volúvel, e isso, em termos afetivos, significa que ele gostará definitivamente de uma pessoa. Agitado, apesar de não demonstrar, tem uma vida sensual e sexual extremamente inconstante, porque pula de um relacionamento para outro, na ânsia de conseguir tudo ao mesmo tempo. Seu maior prazer é viajar, conhecer gente e locais diferentes, sair fora da rotina. Adora festas, principalmente aquelas onde podrá mostrar que dança bem. Quem gosta de uma vida agitada, onde a palavra de ordem é a aventura, encontra nele o parceiro ideal. Só que, apesar de ativo sexualmente, precisa ser estimulado por uma parceira criativa.

A  MULHER  DE  YANSÃ

A mulher de Iansã é sempre aceita e admirada onde quer que vá. Não é do tipo que faz charme quando esta a fim de alguém: declara-se logo abertamente, da mesma forma que é rapidíssima para dar o fora em alguém. Nunca lhe faltarão admiradores, já que é dona de uma beleza natural que é a chave do seu sucesso. Não é vaidosa, mas se necessário, sabe se vestir e se comportar como uma rainha. Para estar ao seu lado, o homem precisa ser inteligente, bonito, sóbrio, bom papo e de preferência, místico. É uma mulher super ativa sexualmente e disposta a tudo para manter seu romance.

 

Dia: Quarta-feira

Número: 09 - 11

Côres: Vermelho, Branco com rosa

Comida: acarajé, romã, acarajé feito com feijão branco(ecuru).

Saudação: Eparrei  Oyá, Yá  Messorum

Domínio: Vento, ossários, cumes, jardins

 

 

OXUM

OXUM

Deusa dos rios , Oxum carrega consigo predicados de beleza, riquesa e a capacidade de projeção social. É uma ninfa da cultura yorubana, cidade Oshogbo, na Nigéria, está localizada às margens do rio Oxum. Ela é a dona do ovo, a maior célula viva. Na cultura Gêge-Vodú é conhecida como Aziri Tobossi. Conta-se que quando os orixás chegaram à Terra, costumavam se reunir sem a presença das mulheres. Aborrecida por não poder participar das deliberações, Oxum preparou sua vingança, trazendo a esterilidade às mulheres. Os orixás buscaram ajuda de Olodumaré, que explicou que sem a presença de Oxum nada poderia dar certo. Dengosa, ela demorou a aceitar o convite para que participasse das reuniões, mas finalmente concordou, e a fecundidade voltou.

O HOMEM DE OXUM

 Bonito, charmoso, de ar malicioso, arranca suspiros. Aliás, isso é o que esse homem mais gosta de fazer. Só que é preciso entender como ele joga o jogo da conquista. Em primeiro lugar, não demonstra seu interesse e não se compromete demais. Arma todo o esquema para que a mulher tome a iniciativa de chegar a ele. Sexualmente impetuoso, usa toda a sua inteligência e o seu requinte para dar um toque especial aos contatos amorosos. Fará, portanto, com que a mulher se sinta uma rainha. O problema é que gosta de fazer isso com todas as mulheres. Mas há como segurar um filho de Oxum. Trabalhe a sua vaidade, elogie-o muito, mas trate de fazê-lo notar que há outras pessoas interessadas na mulher que está ao lado dele.

A  MULHER DE  OXUM

 Para conquistá-la é preciso estar atento aos sinais que ela emite. A primeira coisa que a mulher de oxum faz quando está a fim de conquistar alguém é passar as mãos nos cabelos. Não espere jamais que ela demonstre interesse direto. Vai sempre chegar a pessoa amada através de outra. Tudo isso acontece porque a filha de oxum gosta de proteger das pessoas em qualquer lugar que esteja. É aquele tipo de mulher que não anda sozinha e está sempre acompanhada de uma amiga. Apesar disto, tem uma aparência chamativa: destaca-se pelos penteados, pela pele macia e bem tratada, pelo corpo hamonioso. Seu ponto fraco é a vaidade. Basta então para conquistá-la, elogiar sua beleza.

 

 Dia: Sábado

Número: 05 e 08

Côres: Amarelo ouro

Comida: Feijão fradinho com cebola e camarão (omolocum)

Saudação: Oraiêiêô fideriomã

Domínio: Água doce, rios, cachoeiras

 

 

YÊMANJÁ

YÊMANJÁ

Yemanjá é a filha de Olokum, Deusa dos Oceanos. Deusa da foz dos rios e quebra-mares é associada aos rios na África, assim como Oxum e Obá. ciumenta, poderosa e atrante e quando invocada por quem realmente a conhece, propicia favores e ajudas inestimáveis. Conta a lenda que sua mãe Olokum, deu a Yemanjá um misterioso preparado em uma garrafa para ser usado em caso de perigo. Casada com um poderoso homem em Ilé Ifé, Yemanjá foge para Abeokutá e seu marido lança seu exército para trazê-la de volta. Em perigo, Yemanjá quebra a garrafa que sua mãe lhe dera e o líquido forma um rio que a leva para o mar.

O  HOMEM  DE  YÊMANJÁ

Detalhista e exigente, o filho de Yemanjá é´uma pessoa difícil de se tratar. Como tem um senso estético muito desenvolvido não tolera ter ao seu lado uma mulher desleixada e desarrumada. é extremamente ciumento e possessivo, embora não o demonstre. Essa sua característica gera muitas brigas ou pode levá-lo a adotar uma postura indiferente. Apesar disto ele é um bom companheiro, empenhado em harmonizar a vida a dois. A mulher que quiser conquistá-lo terá de entender ainda que a sua imagem sensual, reforçada pelo corpo bonito, esconde um parceiro sexual passivo, que espera que a companheira tome a iniciativa para então se soltar.

A  MULHER  DE  YÊMANJÁ

É aquela mulher que todo homem sonha em encontrar. Tem voz meiga e calma, é delicada e dona de uma beleza harmoniosa. Como uma verdadeira sereia, ela sabe direitinho como enfeitiçar os homens. É passiva no assunto coração e adora se sentir segura na presença do companheiro, que nunca poderá ser um homem fraco diante da vida. Esse companheiro encontrará na filha de Yemanjá uma grande disposição sexual e um imenso desejo de agradá-lo. Porém estas qualidades podem se transformar repentinamente. Por trás da aparência meiga e encantadora há uma mulher extremamente vingativa e ciumenta, que pode chegar ao extremo de abandonar por vingança a pessoa amada, ou então, só para magoá-lo manter um romance paralelo.

  

Dia: Sábado

Número: 04 - 09

Côres: prata - azul-claro, branco gêlo

Comida: manjar, pipoca de arroz com casca

Saudação: Eruyia ! Odô-iá !

Domínio: Maternidade e Pesca

 

 

OSSÃE

OSSÃE

Ossãe ou Ossaiyn é originário da cidade de Offá. Conhecido também como Babá Ewê ou Obá-Offá, seu culto está praticamente extinto na áfrica, devido a escassez de florestas. Por ser o orixá das folhas e seus segredos medicinais, do ecossistema, da biodiversidade, da clorofila e do meio ambiente, adaptou-se totalmente ao Brasil, sendo absoluto dono da região amazônica. Ossayin está intimamente ligado a Iroko, divindade da hemoglobina, cuja árvore simbolo erradamente é identificado como Gameleira Branca(ficcus doliária) no Brasil, quando na verdade é representado pela Moreira(chlorophora excelsa ou régia).

 

O  HOMEM  DE  OSSÃE

 É um homem com detalhes especiais no campo amoroso. Aparentemente tímido, na realidade da mesma forma que seu orixá, espreita a pessoa que lhe chama atenção até ter certeza que não errará seu alvo. Ele detesta ser rejeitado e por esta razão joga de maneira tática e matreira na conquista. Ele é aquele homem que entra por último numa disputa e certificando-se que seu alvo caiu em seu encanto, aí sim inicia seu jogo de sedução. Ele joga com o corpo e com a inteligência ora usando um olhar, ora usando a versatilidade que tem sobre os mais variados assuntos dentro do campo das humanidades e ciência social. Seus pontos fracos são o verde, a penumbra, um cachimbo. Sexualmente é passivo, se transformando em um verdadeiro "feiticeiro do sexo se for convenientemente estimulado.

A  MULHER  DE  OSSÃE

 É uma mulher tímida, mas que sustenta qualquer sonho de um homem, procurando durante toda a vida um homem que faça o mesmo com ela. Aparentemente demonstra ser auto-suficiente e forte, mas no fundo é muito ciumenta e possessiva. Sexualmente é uma mulher insaciável, ativa e passiva, disposta a tudo desde que encontre o parceiro certo. Dentro dela existe um instinto automático de preservação da espécie e, assim sendo, um instinto automático de procriação, ainda que muitas vezes ela saiba que isto não vai acontecer. Seus pontos fracos são a inteligência de um homem, um um papo sobre animais e ecologia, um beijo meloso, as festas e a fartura de tudo.

 

Dia: Terça-feira

Número: 15

Côres: verde e vermelho, verde e branco

Comida: Aipim assado na brasa, Tiquira (aguardente de mandioca), fumo de rolo.

Saudação: Ewê Assá Belu Assá Kerê Kerê!

Domínio: florestas, selvas, folhas, árvores e raízes

 

 

Pagina 1 de 2