WhatsApp: (33) 9 9903-7407

Portuguese English Spanish
Fique por dentro

Fique por dentro (25)

FOLHAS  SAGRADAS

 

 

O Candomblé é uma religião de matriz africana que cultua os Orixás e toda a Natureza. Por este motivo todos os rituais realizados numa casa de axé contam com as presenças de muitas ervas, muitas folhas sagradas. Pelo fato de se usar o dialeto Yorubá nas conversas entre o povo de santo, explicaremos abaixo os nomes das folhas também no idioma portugues para facilitar o entendimento dos internautas visitante do nosso site. Assim postaremos abaixo os nomes das folhas em Yorubá com a tradução para portugues.

 

Abafe ilé = fedegoso

Rékúrékú = fedegoso roxo

Olugboró = fedegoso rasteiro

Ábajé = folha do inhame

Agbalakosé = falsa mosqueia

Ariwó = chama mosca

Ilákósín igbó = folha de amêndoa

Ábamódá = sangue lavo

Érú odudu = folha da costa

Kantikanti = saião

Kóronpón = coitama

Ábárá oké = folha de baunilha de nitre

Ábebe osun = erva capitão

Abékó = arroz bravo

Abéikó = folha de arroz

Abíkóló = erva botão

Arójóku = erva da noite

Orójókú =dama da noite

Áárágbá = erva meio dia

Abírunpó = folha do maracujá

Abitolá = cambará vermelho

Abo = araticu da areia

Aréré = capim matreiro

Áfón = capim transassem

Abo ógánmó = andrioba

Éfuu yá = folha do algodão

Abojájá = caruru da Bahia

Ajégbéhin = bredo do campo

Abo lábejábe = capim tiririca

Abo réré = fedegoso verdadeiro

Abo oriré = capim mata pasto

Opa iku = quarana

Asíwmáwú = folha de abóbora

Adáwérésewéré = folha da cabaça

Abo yareré = folha do pepino

Afé = araticun do brejo

Afegiagagaké = pinha do brejo

Afóforo igigbalodé = jasmim de caiena

Afóforo óyínbó = margosa

Afómom = erva passarinho

Áfon = espinhela falsa

Ágánerigbo = capim aranha

Ayáná móigbó = gloriosa

Móórá = folha da amoreira

Ewéajé = fumo bravo

Yángámú ódán = fumo roxo

Oná pupa = erva de santa Maria vermelha

Kádúnkódun = mamona branca

Agemó kodún = capiçobá erva lanceta

Agidimagbáyin = erva de vassorinha

Ágbádó = fruto do milho

Igbádo = folha do milho

Oká = sabugo

Yangá funfum = milho branco

Eringbádó = folha do milho de pipoca

Erinká = milho roxo

Eginrin ágbádó = folha do quiabo roxa

Elépéé inlá = folha do quiabo branca

Ijééré = capim santo

Ágbáon = imbaúba ou umaúbá

Ágbásá = folha do aniz

Átápári = pimenta dedo de moça

Átáári órukó = pimenta malagueta

Agbári óbukó = folha ardida ( qualquer folha ardida )

Igi ágbón = palmeira da Bahia

Agbémó = folha de batata doce

Agbemó okun = folha da batata doce roxa

Agogô = brinco de princesa ( todas as folhas e flores que imitam um sino )

Agogô igun = crista de galo

Óógun = folha que imitam uma espada ou faca

Ogbé akunkó = crista de galo branca

Akunkó Dudu = crista de galo preta

Akunkó fumfum = crista de galo branca

Ahon ekú = falso cardo

Ehún arúgbó = cânhamo brasileiro

Ópípí = canela de velho

Ópípí oko = folha de canela de velho roxa

Ájágbáo = folha de tamarindo

Ajígbawá = campainha vermelha

Atéwó edún = campainha rosa

Ájobi fumfum = aroeira branca

Ájobi pupa = aroeira vermelha

Jinjin = bredo da terra

Ákáro = dinheiro em penca

Akesse = algodão gigante ( também é dado este nome para a paineira )

Akínsálé = juá e pitanga

Ejirin ajé = jeticuçu

Ejirin odan = fruto da pitanga

Ejirin olokun = bétis cheiroso

Akoko = folha do precipício de ligação com aiye e orum

Ako iré = pau cadeira

Ako ewuro adó = cruz de malta

Ewúro adó = erva de santa luzia

Iram = dormideira

Irowo = dormideira

Ikúúúkú erin = canábis sensitiva

Aládé = erva de são bento

Aládum =olho de cabra

Ewé aladun = olho de pombo

Mééssén sé itákun = ervas 9 pontos

Alákéssi =são gonsalinho

Aláwéré = língua de vaca

Ajígbórere = beldroega grande

Gburé = Mangerona

Áló = cara do Pará

Agandán = cará moela

Ábájé = 7 sangre sangria

Apépé = capim marmelada

Aginipá = erva mata pinto

Óparapá = erva de cavalo

Óló = espanta aranha

Pá-nságá = quebra demanda

Álubosá (Alobaça) = cebola branca

Álubosá pupa = cebola roxa

Alubosá ketá = cebola de gomos

Élubósá = cebola em folha

Álúbósá élewé = cebolinha branca

Álukerese = jitirama

Álukí = aspargos

Álupáiydá = língua de galinha

Amú = sete sangria

Amúkú = leguminosa = malicia das mulheres

Amúkúlo = erva mimosa

Amúnibímo = caiapós

Ánamó yáyá = ( leguminosa batata doce _

Édunmisi = ( leguminosa batata comum )

Kúnkunkundu = ( leguminosa batata roxa )

Ódundunku = mil homem

Ánkémi léti = erva jarrinha

Ápahá = procaxi da folha grande

Paálá = folha de inhame

Kákó = erva de banha

Ápako = bambu

Pákó = folha do bambu

Apárum = broto do bambu

Opa = a raiz do bambu

Ápalá = abóbora amarela = moranga

Ápáárá = sucupira

Ápáoká = folha da jaca

Taponrunrin =fruto da jaqueira

Ápejébi = sete sangria

Aparejó = dois amores

Árágbá = mafumeira

Égungun águun = erva polido

Éégun =sumaumeira

Owó éégun = sabugueiro

Ágbungun = espada se são Jorge

Áridan ( leguminosa = fava )

Áidan =a folha do pé de eridan

Ariwó = cânhamo

Árun sánsán = metrastro

Imiesú = mastruz

Akó yúnyun = mastruz rasteiro

Ásárágogo = vassoirinha de relógio

Ásikutá = malva amarga

Ásikutá ajikútú = malva cheirosa

Ásínwówo = Maria preta

Atá isénbáye =pimentão

Atá pupa =pimentão vermelho

Ataré =pimenta da costa

Atá olóbénkán = pimenta malagueta

Óbúró = amolo

Atalé = gengibre

Dánguró = capim gordura

Átójó átérún = capim gomoso

Atójó kérére =capim marianinha

Átoríí = goiabeira

Átomirina = sabugueiro

Atúnmotó = andu do mato

Awó erédé = manjericão

Aiyrinré = coração de negro

Bánbaná = salsa

Aíyó = alho

Ayó pupa = alho roxo

Bááká = palma de santa Rita

Banii =aroma

Beréfutu =malmequer

Burefú =fruta pão

Bommubomu = flor da seda

Bonníii = esponjeira

Bújé =´jenipapo

Dágírí dobo = trombeta

Dandá labe labé =navalha de macaco

Dánguró = carrapicho rasteiro

Diamba =maconha

Dógbódógbó =capim de cheiro

Eéssun = capim elefante

Éesún fun fun =capim branco

Éesún pupa = capim vermelho

Ésísún = cana de burro

Ikésén =cna de açúcar

Éékún ahún = cardo do México

Eékun ahún = abacaxi

Éénmó éyé = capim do pombo

Éé´rú = pimenta do reino

Éérunjé = malagueta preta

Éfirin = assa peixe

Ééfirin = manjericão

Awó erédé pupa = manjericão roxo

Amúnú tutu pupa = folha da beterraba

Amúnú nlá ( leguminosa = beterraba )

Efó tété = cauda de raposa

Efó iyarin = língua de vaca

Efunlé = erva corre corre

Égbá = erva do mangue

Igba Dudu = arvore do caranguejo

Atanká = falso oro

Égé = feijão branco

Isé ááá – folha do feijão branco

Olojú edun = feijão de fava

Égé fun fun = mandioca

Egélé = erva passarinho

Égúnmó = figueira do inferno

Égunmólé = erva m,oura

Éhínmsówó = quebra pedra

Ejáómodé ou osibatá = baronesa

Ejírín = balsamo

Ewéejirinm = melão de são Caetano

Éjirinwéré =fruto da cobra

Ejó ógunm = fedegoso

Réré pupa – cerne do campo

Ej´pokun = café do mato

Éésíny = café

Ewé iná = folha do café

Awureépé = alucinógena folha da noite

Ékájú = caju

Ekéilé = jasmim da terra

Ekelegbará =Maria perpétua

Ekeleiyn = bonina

Ékó ómodé = graviola

Ékunkun = vácua

Ékunkúnahun = ananases

Ékuruin = malva branca de Santarém

Ékunrin oko = malva guaxima

Elédá wóró =capim mimoso

El´gué = cardo santo

Eleguédé = jerimum

Éjóju = cajueiro

Elékikóbiy = tâmaras

Elekú =cambárá roxo

Elésin másó = picão roxo

Ajísomolabiolá = carrapicho de agulha

Émi =limo da costa

Emi emi = limo do brejo

Émigidi = limo da terra

Émi gbégi =limo da água

Oju isin =caaxira

Épágidi =amendoim

Erééahun = feijão de corda

Erú bujé = assaca

Erúinagbó = cravo de defunto

Éru isápá = fava branca

Eérúúgbó = vime

Éru óórungó =erva cidreira

Esá = cânhamo brasileira

Gbají = capim galinha

Gbégi = capim pé de galinha

Gsisi =urtiga

Ésin = abóbora da guiné ( mugongo)

Esófelejé = trombeta

Estí = falsa erva cidreira

Estitáré =maricotinha

Éwáowo = manjericão

Éwoá = feijão

Éwoá Dudu = feijão preto

Ew´wsugu = feijão fradinho

Eweajé = erva da infelicidade

Ewé arán = lombrigueira

Ewé baba = tapete de osala (Boldo)

Ewé dújútona = arrebenta pedra

Ewé epe = cansanção branco

Ewé firiri = taquari

Ewé ida orisa = espada de são Jorge

Ewé inon = folha do fogo

Ewéisin = cascaveleira

Ewwiyá = capeia

Ewé lara funfun = mamona branca

Ewélára pupa = mamona roxa

Ewéméssan = para raio

Ewéodé = carrapicho beiço de boi

Ewéokowo = erva vintém

Ewé owu =algodão

Ewé oiyá = casuarina

Peregun = paud!agua

Peregun funfun = coqueiro de Vênus

Perregun mo inon = pau dagua roxo ( peregun vermelho)

Pwétete = bredo

Awuaró =afuma

Fálakuni = corredeira

Ofáetu =taquarinha

Gbági = pata de vaca

Gboroáyágbá = salsa da praia

Ibépe = mamoeiro

Ida oiya = espada de oya ou espada de santa bárbara

Infin =malvaisco

Óóréé = junco bravo

Ifú =cana de vassoura

Igi pupa = ( toda arvore que da uma folha vermelha _)

Igba aja = jurubeba

Igédu = cana do mar

Igiope = dendezeiro

Mariwô = folha do dendezeiro

Kóókó = capim guiné

Ikó = jupati

Apakó = cordão de frade

Óká = cordão de são Francisco

Ilá = quiabeiro

Inlá – quiabo

Imi iyni =capim formigueiro

Imi ologbó = erva ferro

Imu =azedinha

Imurin etáwa = trevo de três folhas

Ipá oloméregun = capim santo

Ipápó = ingá bravo

Ipólérin = babosa

Iréké = cana de açúcar

Iroko = gameleira branca

Iróeku = verônica

Isápá = quiabo roxo

Iséré ogu = abóbora de pescoço

Isin oká = castanheiro da áfrica

Isú = inhame

Isumi ure = erva de são João

Ita =pitangueira

Itété = janauba

Iyábeiyn = erva mãe boa

Yyálodé = pinhão dos barbados

Abojájá =caruru do brejo

Ijékonjó = cipó milomem

Olátorijé = poejo

Ájofá = urtiga vermelha

Kajókajó = guaraná ( folha )

Kálefemiji =mimosa

Óririjáá = bochas de cipó ( para banho )

Kankinsé = maracujá

Kanran = ébano

Kanreji =carqueja

Óóru = cordão de frade

Kurukurawó = batatinha

I[obótujé = pinhão roxo

Ilkárá = recinto

Iewué = pimenta macaco

Manturussi = erva de santa Maria

Obi = cola

Ódundun =folha da costa

Eleti = folha da fortuna

Ófia = cansanção

Ogédé = banana

Ewéopeogede = folha da banana

Ogédé égbágbá- banana da terra

Óguédé ntiti = banana nanica

Ógiriywi = melancia

Ojájkorijó = folha de são Jorge

Ójuporó = alface da água

Ojusaju = alho da água

Ókiká = cajazeira

Ewé aladun = Trento

Ómúm = todos os tipos de samambaia

Orogbó = folha do ´pé de orogbo = citrous arantinus

Osé igbéélújú = baoba

Óósun = urucum

Ótili = andu

Parufurugbá = maniçoba

Pamámó aluiro = dormideira

Patiogba = folha do fruto do inhame da água

Patunmó = unha de gato

Sájéjé = alecrim

Segbá =abobrinha

Ségunsété = amor cristalino

Soko y´kótó = veludo branco

Tabataba egusu = fumo

Tánrejirin = laranja ou tangerina

Tétéelégunún = bredo de espinho

Tétégundó = cana de macaco

Totódun =alevante

Ekué = tomate

Yáwué =capeia

Yólógbá – erva quebra calçada

 

 

  • Código do Formulário para site Tenda Espírita Povo de Angola - Ylê Asé Taunkerã

ORAÇÃO  A  SÃO  JORGE

( Oração original )

 

São Jorge subiu ao céu,
Chegou na porta e bateu.
Saiu um anjo e perguntou:
Quem bate?
São Jorge respondeu: Sou eu Jorge, cavaleiro forte, braços fortes, peito de aço e coração de bronze.
O que você quer Jorge?
Vim falar com nosso senhor para mim dar as suas armas para eu combater contra meus inimigos.
Mas, que arma te darei Jorge?
Vou te dar 6 cruzes: Três adiante e três atrás, com seus inimigos não encontrarás.
Ferro e aço se pra ti vier, quebrarão em dois e três pedaços.
Arma de fogo se pra ti vier, minará água pelo cano .
Fuzil e outras armas contra você não irá funcionar.
Seu corpo estará sempre fechado contra todos os males carnais e espirituais.
Com estas trovoadas Jorge, em nome do pai, do filho e do Espírito Santo.
Amém.

  • Código do Formulário para site Tenda Espírita Povo de Angola - Ylê Asé Taunkerã

MENINOS DE ANGOLA

 

Vamos falar agora da alegria que contagia a Umbanda. Os meninos de angola (Erês) Descem nos terreiros simbolizando a pureza, a inocência e a singeleza. Seus trabalhos se resumem em brincadeiras e divertimentos. Podemos pedir-lhes ajuda para os nossos filhos, resolução de problemas, fazer confidências, mexericos, mas nunca para o mal, pois eles não atendem pedidos dessa natureza. São espíritos que já estiveram encarnados na terra e que optaram por continuar sua evolução espiritual através da prática de caridade, incorporando em médiuns nos terreiros de Umbanda. Em sua maioria, foram espíritos que desencarnaram com pouca idade (terrena), por isso trazem características de sua última encarnação, como o trejeito e a fala de criança, o gosto por brinquedos e doces.Assim como todos os servidores dos Orixás, elas também tem funções bem específicas, e a principal delas é a de mensageiro dos Orixás, sendo extremamente respeitados pelos caboclos e pelos pretos-velhos. É uma falange de espíritos que assumem em forma e modos, a mentalidade infantil. Como no plano material, também no plano espiritual, a criança não se governa, tem sempre que ser tutelada. É a única linha em que a comida de santo (Amalás), leva tempero especial (açúcar). É conhecido nos terreiros de Nação e Candomblé, como (ÊRES ou IBEJI). Na representação nos pontos riscados, Ibeji é livre para utilizar o que melhor lhe aprouver. A linha de Ibeji é tão independente quanto à linha de Exu. Ibeijada, Erês, Dois-Dois, Crianças, Ibejis, são esses vários nomes para essas entidades que se apresentam de maneira infantil. No Candomblé, o Erê, tem uma função muito importante. Como o Orixá não fala, é ele quem vem para dar os recados do pai. É normalmente muito irrequieto, barulhento, às vezes brigão, não gosta de tomar banho, e nas festas se não for contido pode literalmente botar fogo no oceano. Ainda no Candomblé, o Erê tem muitas outras funções, o Yaô, virado no Erê, pode fazer tudo o que o Orixá não pode, até mesmo as funções fisiológicas do médium, ele pode fazer. O Erê muitas vezes em casos de necessidade extrema ou perigo para o médium, pode manifestar-se e trazê-lo para a roça, pegando até mesmo uma condução se for o caso.Na Umbanda mais uma vez, vemos a diferença entre as entidades/divindades. A Criança na Umbanda é apenas uma manifestação de um espírito cujo desencarne normalmente se deu em idades infanto-juvenis. São tão barulhentos como os Erês, embora alguns são bem mais tranqüilos e comportados. No Candomblé, os Erês, tem normalmente nomes ligados ao dono da coroa do médium. Para os filhos de Obaluaiê, Pipocão, Formigão, para os de Oxossi, Pingo Verde, Folinha Verde, para os de Oxum, Rosinha, para os de Yemanjá, Conchinha Dourada e por ai vai. As Crianças da Umbanda tem os nomes relacionados normalmente a nomes comums, normalmente brasileiros. Rosinha, Mariazinha, Ritinha, Pedrinho, Paulinho, Cosminho, etc...As crianças de Umbanda comem bolos, balas, refrigerantes, normalmente guaraná e frutas, os Erês do Candomblé além desses, comem frangos e outras comidas ritualisticas como o Caruru, etc... Isso não quer dizer que uma Criança de Umbanda não poderá comer Caruru, por exemplo. Com Criança tudo pode acontecer. Quando incorporadas em um médium, gostam de brincar, correr e fazer brincadeiras (arte) como qualquer criança. É necessária muita concentração do médium (consciente), para não deixar que estas brincadeiras atrapalhem na mensagem a ser transmitida. Os "meninos" são em sua maioria mais bagunceiros, enquanto que as "meninas" são mais quietas e calminhas. Alguns deles incorporam pulando e gritando, outros descem chorando, outros estão sempre com fome, etc... Estas características, que às vezes nos passam desapercebido, são sempre formas que eles têm de exercer uma função específica, como a de descarregar o médium, o terreiro ou alguém da assistência. Os pedidos feitos a uma criança incorporada normalmente são atendidos de maneira bastante rápida. Entretanto a cobrança que elas fazem dos presentes prometidos também é. Nunca prometa um presente a uma criança e não o dê assim que seu pedido for atendido, pois a "brincadeira" (cobrança) que ela fará para lhe lembrar do prometido pode não ser tão "engraçada" assim. Poucos são aqueles que dão importância devida às giras das vibrações infantis. A exteriorização da mediunidade é apresentada nesta gira sempre em atitudes infantis. O fato, entretanto, é que uma gira de criança não deve ser interpretada como uma diversão, embora normalmente seja realizada em dias festivos, e às vezes não consegamos conter os risos diante das palavras e atitudes que as crianças tomam. Mesmo com tantas diferenças é possível notar-se a maior características de todos, que é mesmo a atitude infantil, o apego a brinquedos, bonecas, chupetas, carrinhos e bolas, como os quais fazem as festas nos terreiros, com as crianças comuns que lá vão a busca de tais brinquedos e guloseimas nos dias apropriados. A festa de Cosme e Damião, santos católicos sincretizados com Ibeiji, à 27 de Setembro é muito concorrida em quase todos os terreiros do pais. Uma curiosidade: Cosme e Damião foram os primeiros santos a terem uma igreja erigida para seu culto no Brasil. Ela foi construída em Igarassu, Pernambuco e ainda existe. Não gostam de desmanchar demandas, nem de fazer desobsessões. Preferem as consultas, e em seu decorrer vão trabalhando com seu elemento de ação sobre o consulente, modificando e equilibrando sua vibração, regenerando os pontos de entrada de energia do corpo humano. Esses seres, mesmo sendo puros, não são tolos, pois identificam muito rapidamente nossos erros e falhas humanas. E não se calam quando em consulta, pois nos alertam sobre eles. Muitas entidades que atuam sob as vestes de um espírito infantil, são muito amigas e têm mais poder do que imaginamos. Mas como não são levadas muito a sério, o seu poder de ação fica oculto, são conselheiros e curadores, por isso foram associadas à Cosme e Damião, curadores que trabalhavam com a magia dos elementos. MAGIA DA CRIANÇA O elemento e força da natureza correspondente a Ibeji são... todos, pois ele poderá, de acordo com a necessidade, utilizar qualquer dos elementos. Eles manipulam as energias elementais e são portadores naturais de poderes só encontrados nos próprios Orixás que os regem. Estas entidades são a verdadeira expressão da alegria e da honestidade, dessa forma, apesar da aparência frágil, são verdadeiros magos e conseguem atingir o seu objetivo com uma força imensa, atuam em qualquer tipo de trabalho, mas, são mais procurados para os casos de família e gravidez. A Falange das Crianças é uma das poucas falanges que consegue dominar a magia. Embora as crianças brinquem, dancem e cantem, exigem respeito para o seu trabalho, pois atrás dessa vibração infantil, se escondem espíritos de extraordinários conhecimentos. Imaginem uma criança com menos de sete anos possuir a experiência e a vivência de um homem velho e ainda gozar a imunidade própria dos inocentes. A entidade conhecida na umbanda por erê é assim. Faz tipo de criança, pedindo como material de trabalho chupetas, bonecas, bolinhas de gude, doces, balas e as famosas águas de bolinhas -o refrigerante e trata a todos como tio e vô. Os erês são, via de regra, responsáveis pela limpeza espiritual do terreiro. ONDE MORAM AS CRIANÇAS A respeito das crianças desencarnadas, passamos a adaptar um interessante texto de Leadbeater, do seu livro "O que há além da Morte". "A vida das crianças no mundo espiritual é de extrema felicidade. O espírito que se desprende de seu corpo físico com apenas alguns meses de idade, não se acostumou a esse e aos demais veículos inferiores, e assim a curta existência que tenha nos mundos astral e mental lhe será praticamente inconsciente. Mas o menino que tenha tido alguns anos de existência, quando já é capaz de gozos e prazeres inocentes, encontrará plenamente nos planos espirituais as coisas que deseje. A população infantil do mundo espiritual é vasta e feliz, a ponto de nenhum de seus membros sentir o tempo passar. As almas bondosas que amaram seus filhos continuam a amá-los ali, embora as crianças já não tenham corpo físico, e acompanham-nas em seus brinquedos ou em adverti-las a evitar aproximarem-se de quadros pouco agradáveis do mundo astral." "Quando nossos corpos físicos adormecem, acordamos no mundo das crianças e com elas falamos como antigamente, de modo que a única diferença real é que nossa noite se tornou dia para elas, quando nos encontram e falam, ao passo que nosso dia lhes parece uma noite durante a qual estamos temporariamente separados delas, tal qual os amigos se separam quando se recolhem à noite para os seus dormitórios. Assim, as crianças jamais acham falta do seu pai ou mãe, de seus amigos ou animais de estimação, que durante o sono estão sempre em sua companhia como antes, e mesmo estão em relações mais íntimas e atraentes, por descobrirem muito mais da natureza de todos eles e os conhecerem melhor que antes. E podemos estar certos de que durante o dia elas estão cheias de companheiros novos de divertimento e de amigos adultos que velam socialmente por elas e suas necessidades, tomando-as intensamente felizes." Assim é a vida espiritual das crianças que desencarnaram e aguardam, sempre felizes, acompanhadas e protegidas, uma nova encarnação. É claro que essas crianças, existindo dessa maneira, sentem-se profundamente entristecidas e constrangidas ao depararem-se com seus pais, amigos e parentes lamentando suas mortes físicas com gritos de desespero e manifestações de pesar ruidosas que a nada conduzem. O conhecimento da vida espiritual nos mostra que devemos nos controlar e nos apresentar sempre tranqüilos e seguros às crianças que amamos e que deixaram a vida física. Isso certamente as fará mais felizes e despreocupadas.

DEPOIMENTOS

 

Não postamos depoimentos aqui em nosso site pois, não temos a pretensão de enganar ninguém. Falamos isto pois,duvidamos que alguém que tenha mandado fazer um Trabalho Espiritual de amarração amorosa por exemplo, tenha a coragem de postar aqui seu nome e endereço para o mundo inteiro ficar sabendo de tudo. Até porque se o Cliente pagou para fazer determinado trabalho, não terá nenhuma obrigação de postar depoimentos no sentido de ajudar a promover determinado site de Trabalhos Espirituais. Esta história de depoimentos em sites de Trabalhos Espirituais na verdade não existe. É pura mentira. Pedimos desculpas a todos os visitantes deste nosso site mas, aqui trabalhamos com seriedade e respeito a todos os visitantes do nosso site e, principalmente com os nossos clientes. Por este motivo aqui não terá nenhum falso depoimento. Lembramos que, todos os nossos Trabalhos Espirituais são garantidos em documento ou o dinheiro do cliente  de volta.

Quarta-feira, 06 Maio 2020 10:33

ORIXÁS E EXÚS NA UMBANDA

Escrito por

Aqui você poderá identificar a qual falange o seu Exú ou sua Pombagira pertence. Lembramos que, este texto tem caracter informativo apenas para os fundamentos da Umbanda. Para saber com certeza qual é o seu orixá de cabeça clique abaixo em "Solicitar consulta". Somente através desta consulta você saberá com certeza quem é o seu Orixá de cabeça e, consequentemente quem é o seu Exú e quem é a sua Pomba-Gira. Esta consulta custa R$300,00 ( Trezentos ) reais. Você receberá a consulta completa em no máximo 24 horas contando da confirmação de seu depósito ou transferência.

 

 

OGUM

  • Exú Tranca Rua
  • Exú Zé Pelintra
  • Exú Corta Fogo
  • Exú Quebra Demanda
  • Exú Tranca Tudo
  • Exú Tranca Rua das Almas
  • Exú Tranca Rua das 7 Encruzilhadas
  • Exú Tranca Rua de Embaré
  • Exú Tranca Gira
  • Exú Mangueira
  • Exú 7 Portas
  • Exú Gato Preto
  • Exú Facada
  • Exú de Ronda
  • Exú da Noite
  • Exú da Estrada
  • Exú 7 Encruzilhadas
  • Exú Punhal
  • Exú 7 Caminhos
  • Exú Rompe Fogo
  • Exú Pantera Negra
  • Exú Navalha
  • Exú 7 Chaves
  • Exú Tiriri
  • Pombagira 7 Encruzilhadas
  • Pombagira da Estrada
  • Pombagira das 7 Estradas
  • Pombagira dos 7 Caminhos
  • Pombagira da Encruzilhada
  • Pombagira Cigana 7 Saias
  • Pombagira Cigana da Encruzilhada
  • Pombagira Cigana da Figueira
  • Pombagira Rainha do Cabaré
  • Pombagira 7 Saias
  • Pombagira Rainha da Estrada
  • Pombagira da Lira
  • Pombagira da Tronqueira
  • Pombagira Cigana Menina
  • Pombagira Rainha do Cabaré
  • Pombagira Rainha 7 Saias da Encruzilhada
  • Pombagira Rainha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Rainha da Lira
  • Pombagira da Tronqueira
  • Pombagira Cigana Menina

OXÓSSI

  • Exú 7 Luas
  • Exú Cigano Ramiro
  • Exú Rei das Matas
  • Exú Curador
  • Exú Marabô
  • Exú Marabô Toquinho
  • Exú Quebra Barranco
  • Exú das Matas
  • Exú Pantera Negra
  • Exú Veludo da Encruzilhada
  • Exú Veludo da Mata
  • Exú Viramundo
  • Exú Pena Preta
  • Exú Galhada
  • Exú Gato Preto
  • Exú Tranca Gira
  • Exú Tranca Tudo
  • Exú da Meia Noite
  • Exú Rola Rola
  • Exú 7 Capas
  • Exú Quebra Galho
  • Exú Rei das Matas
  • Exú 7 Giras
  • Exú 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Maria da Mata
  • Pombagira Cigana 7 Luas
  • Pombagira Rainha Cigana da Mata
  • Pombagira Cigana Jade
  • Pombagira Cigana Sete Saias
  • Pombagira Cigana da Encruzilhada
  • Pombagira Cigana da Figueira
  • Pombagira das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Cigana Esmeralda
  • Pombagira Rainha da Estrada
  • Pombagira Rainha da Figueira
  • Pombagira Rainha do Cabaré
  • Pombagira Cigana 7 Véus
  • Pombagira Rainha da Estrada
  • Pombagira da Lira
  • Pombagira da Tronqueira
  • Pombagira Cigana Menina
  • Pombagira Rosa Vermelha da Estrada
  • Pombagira Rosa Vermelha da Figueira

OXUM

  • Exú Veludo
  • Exú Veludo das Almas
  • Exú Giramundo
  • Exú Cigano Vladimir
  • Exú Cigano Pablo
  • Exú Cigano Juarez
  • Exú Cigano Ramires
  • Exú Cigano Ramon
  • Exú Cigano da Encruzilhada
  • Exú 7 Encruzilhadas
  • Exú dos Rios
  • Exú 7 Sombras
  • Exú Rei das Trevas
  • Exú Quebra Barranco
  • Exú Pimenta
  • Exú Mulambo
  • Exú Rei da Encruzilhada
  • Exú Rei dos Rios
  • Exú da Capa Preta
  • Exú da Capa Branca
  • Exú Destranca Rua
  • Exú Carranca
  • Exú 7 Porteiras
  • Exú Rei das 7 Porteiras
  • Exú Rei das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira 7 Cravos
  • Pombagira 7 Saias
  • Pombagira 7 Véus
  • Pombagira Dama da Noite
  • Pombagira Graciosa
  • Pombagira Rainha Cigana
  • Pombagira Maria Mulambo
  • Pombagira Maria Mulambo da Encruzilhada
  • Pombagira Maria Mulambo da Estrada
  • Pombagira Maria Mulambo da Figueira
  • Pombagira Maria Mulambo da Lira
  • Pombagira Maria Mulambo da Meia Noite
  • Pombagira Cigana Rainha
  • Pombagira Cigana 7 Saias
  • Pombagira Cigana Tamara
  • Pombagira Cigana Aurora
  • Pombagira Cigana Cristal
  • Pombagira Cigana Samira
  • Pombagira Cigana Carmencita
  • Pombagira Cigana Dalila
  • Pombagira Cigana Jade
  • Pombagira Cigana Zaíra
  • Pombagira Cigana Tamara
  • Pombagira Cigana Menina
  • Pombagira Cigana Rainha
  • Pombagira Cigana Rosa Maria
  • Pombagira Cigana Sete Saias
  • Pombagira Cigana da Encruzilhada
  • Pombagira Cigana da Figueira
  • Pombagira Cigana da Lua
  • Pombagira Cigana da Rosa
  • Pombagira Cigana das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Cigana das 7 Luas
  • Pombagira Maria Farrapo
  • Pombagira Maria Farrapo da Campina
  • Pombagira Maria Farrapo da Encruzilhada
  • Pombagira Maria Farrapo da Estrada
  • Pombagira Maria Farrapo da Figueira
  • Pombagira Maria Farrapo das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Maria Farrapo das Almas
  • Pombagira Maria Farrapo do Cabaré
  • Pombagira 7 Caminhos
  • Pombagira 7 Caveiras
  • Pombagira 7 Chaves
  • Pombagira 7 Coroas
  • Pombagira 7 Encruzilhadas
  • Pombagira 7 Estrelas
  • Pombagira 7 Figas
  • Pombagira 7 Figueiras
  • Pombagira 7 Luas
  • Pombagira 7 Saias
  • Pombagira Maria Mulambo da Calunga Grande
  • Pombagira Maria Mulambo da Praia
  • Pombagira Maria Mulambo das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Maria Mulambo das 7 Figueiras
  • Pombagira Maria Mulambo das Rosas
  • Pombagira Maria Mulambo do Cabaré
  • Pombagira Maria Mulambo do Lixo
  • Pombagira Maria Mulambo dos 7 Portais
  • Pombagira Maria Mulambo dos 7 Punhais
  • Pombagira Maria Mulambo dos 7 Véus
  • Pombagira Cigana dos Lírios
  • Pombagira Rosa Maria
  • Pombagira Rainha Rosa Vermelha
  • Pombagira Cigana Salomé
  • Pombagira Rainha dos Rios
  • Pombagira Rainha da Encruzilhada
  • Pombagira Rosa Vermelha
  • Pombagira da Cachoeira
  • Pombagira Rainha Rosa Vermelha
  • Pombagira Rainha Rosa Vermelha da Encruzilhada
  • Pombagira Rainha Rosa Vermelha da Estrada
  • Pombagira Rosa Vermelha da Figueira
  • Pombagira Rosa Vermelha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Rosa Vermelha do Cabaré

YANSÃ

  • Exú Faísca
  • Exú Pinga Fogo
  • Exú Corisco
  • Exú Fagulha
  • Exú Brasa
  • Exú Gira Fogo
  • Exú Gira Tudo
  • Exú Labareda
  • Exú 7 Buracos
  • Exú 7 Campas
  • Exú 7 Cruzes
  • Exú Tata Caveira
  • Exú Veludo das Almas
  • Exú Chicote
  • Exú das 7 Encruzilhadas
  • Exú 7 Sombras
  • Exú Rei do Cemitério
  • Exú Rei das Almas
  • Exú das 7 Catacumbas
  • Exú Calunguinha
  • Exú das 7 Catacumbas
  • Exú Desmancha Tudo
  • Exú Facada
  • Exú 7 Garfos
  • Exú Tranca Rua das Almas
  • Exú Tranca Rua das 7 Encruzilhadas
  • Exú da Fogueira
  • Exú Giramundo
  • Exú Poeira
  • Exú dos Punhais
  • Exú dos Raios
  • Exú do Vento
  • Exú Ventania
  • Exú Rei das Trevas
  • Pombagira Rainha Maria Padilha
  • Pombagira Rosa Vermelha da Encruzilhada
  • Pombagira Maria Padilha das 7 Encruzilhada
  • Pombagira Maria Padilha do Cabaré
  • Pombagira Maria Padilha da Estrada
  • Pombagira Maria Padilha da Lira
  • Pombagira Maria Padilha Sete Facas
  • Pombagira Rainha das Rosas
  • Pombagira Rosa Negra do Cemitério
  • Pombagira Rosa Negra do Cruzeiro
  • Pombagira Rosa Negra do Cruzeiro das Almas
  • Pombagira Rainha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Maria Padilha Rainha da Encruzilhada
  • Pombagira Maria Padilha Rainha das 7 Catacumbas
  • Pombagira Maria Padilha Rainha do Cabaré
  • Pombagira Maria Padilha Rainha da Calunga
  • Pombagira Maria Padilha Rainha da Calunga Grande
  • Pombagira Maria Padilha da Calunga Pequena
  • Pombagira Maria Padilha da Praia
  • Pombagira do Cabaré
  • Pombagira Rainha da Estrada
  • Pombagira Rainha da Figueira
  • Pombagira Rosa Vermelha da Estrada
  • Pombagira Rosa Vermelha da Figueira
  • Pombagira Maria Padilha das Almas
  • Pombagira Maria Padilha das Portas do Cabaré
  • Pombagira Maria Padilha das Rosas
  • Pombagira Maria Padilha das 7 Cruzes da Calunga
  • Pombagira Maria Padilha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Maria Padilha das 7 Navalhas
  • Pombagira Maria Padilha do Cemitério
  • Pombagira Maria Padilha do Cruzeiro
  • Pombagira Maria Padilha do Cruzeiro das Almas
  • Pombagira Maria Padilha das Sete Figueiras
  • Pombagira Rainha do Cruzeiro
  • Pombagira Rainha do Cruzeiro das Almas
  • Pombagira Rainha do Cemitério
  • Pombagira Rainha Rosa Negra da Calunga
  • Pombagira Rainha Rosa Negra das Almas
  • Pombagira Rosa Negra dos Sete Cruzeiros da Calunga
  • Pombagira Rainha Rosa Vermelha
  • Pombagira Rosa Vermelha da Calunga
  • Pombagira Rosa Vermelha das 7 Catacumbas
  • Pombagira Rosa Vermelha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Rosa Vermelha do Cabaré
  • Pombagira Rosa Vermelha do Cemitério
  • Pombagira Rosa Vermelha do Cruzeiro das Almas
  • Pombagira Rosa da Calunga
  • Pombagira Rosa da Figueira
  • Pombagira Rosa da Noite
  • Pombagira Rosa das Almas
  • Pombagira Rosa do Cruzeiro
  • Pombagira Rosa do Cruzeiro das Almas
  • Pombagira Sete Saias da Estrada
  • Pombagira Rainha da Calunga
  • Pombagira da Tronqueira
  • Pombagira Rainha das Almas
  • Pombagira do Cemitério
  • Pombagira do Cruzeiro
  • Pombagira do Cruzeiro das Almas
  • Pombagira dos 7 Cruzeiros

YÊMANJÁ

  • Exú Rei
  • Exú Mirim
  • Exú dos Mares
  • Exú Rei dos Mares
  • Exú Cigano Ramires
  • Exú dos 7 Mares
  • Exú do Cais
  • Exú da Praia
  • Exú Menino
  • Exú Rei do Cais
  • Exú Rei da Praia
  • Exú das Ondas
  • Exú 7 Ondas
  • Exú Cigano Ramon
  • Exú Rei da Capa Preta
  • Exú Cigano Juarez
  • Exú Desmancha Tudo
  • Exú Lalú
  • Exú Cigano Vladimir
  • Exú Cigano Pablo
  • Exú Meia Noite
  • Exú Cigano
  • Exú 7 Chaves
  • Exú 7 Giras
  • Exú 7 Luas
  • Exú Tranca Gira
  • Exú Tranca Tudo
  • Exú Giramundo
  • Exú Trava Tudo
  • Exú Rei da Gira
  • Pombagira Cigana Jade
  • Pombagira Cigana 7 Mares
  • Pombagira Rainha 7 Mares
  • Pombagira 7 Saias da Praia
  • Pombagira Maria da Praia
  • Pombagira Cigana Tamara
  • Pombagira Cigana Aurora
  • Pombagira Cigana Cristal
  • Pombagira Cigana do Cais
  • Pombagira Cigana do Porto
  • Pombagira Cigana Zaíra
  • Pombagira Cigana Tamara
  • Pombagira Cigana Menina
  • Pombagira Cigana Rainha
  • Pombagira Menina
  • Pombagira Cigana Menina
  • Pombagira Rainha do Porto
  • Pombagira Rainha Negra
  • Pombagira Rainha da Praia
  • Pombagira Rainha dos 7 Mares
  • Pombagira Rainha do Cais
  • Pombagira Rainha 7 Praias
  • Pombagira Rainha das Rosas
  • Pombagira Rainha do Cabaré
  • Pombagira Rosa Vermelha da Praia
  • Pombagira Rosa Negra da Praia
  • Pombagira Rosa Vermelha do Cais
  • Pombagira Rosa Negra do Cais
  • Pombagira Cigana 7 Mares
  • Pombagira Cigana 7 Ondas
  • Pombagira Cigana 7 Praias
  • Pombagira Maria Farrapo da Praia
  • Pombagira Maria Mulambo da Praia
  • Pombagira Maria Quitéria da Praia
  • Pombagira Maria Padilha da Praia

NANÃ

  • Exú Rei do Cemitério
  • Exú Rei das Almas
  • Exú das 7 Catacumbas
  • Exú 7 Covas
  • Exú Rei do Cruzeiro
  • Exú Curador
  • Exú Caveira
  • Exú Aleijadinho
  • Exú Corcunda
  • Exú João Caveira
  • Exú José Caveira
  • Exú da Meia Noite
  • Exú do Cemitério
  • Exú Rei das 7 Catacumbas
  • Exú Rei da Caluga
  • Exú da Morte
  • Exú Capa Preta das Almas
  • Exú Rei do Lôdo
  • Exú Lorde da Morte
  • Exú 7 Buracos
  • Exú 7 Campas
  • Exú 7 Cruzes
  • Exú Tata Caveira
  • Exú Veludo das Almas
  • Pombagira das 7 Catacumbas
  • Pombagira Rainha do Cemitério
  • Pombagira Maria Caveira
  • Pombagira 7 Covas
  • Pombagira Maria Mulambo do Cemitério
  • Pombagira Rainha das Catacumbas
  • Pombagira Rainha da Calunga
  • Pombagira da Calunga Grande
  • Pombagira da Calunga Pequena
  • Pombagira da Rainha da Calunga Grande
  • Pombagira Rainha Rosa Vermelha das Almas
  • Pombagira Rosa Vermelha do Cemitério
  • Pombagira Rosa Negra do Cemitério
  • Pombagira Rainha Rosa Negra
  • Pombagira Rosa Negra da Calunga
  • Pombagira Rainha Rosa Negra das Almas
  • Pombagira Rainha Rosa Negra do Cemitério
  • Pombagira Rosa Negra do Cruzeiro
  • Pombagira Maria Caveira
  • Pombagira Rainha Maria Caveira
  • Pombagira Maria 7 Covas
  • Pombagira Rainha do Mangue
  • Pombagira Rainha do Pântano
  • Pombagira Rainha Rosa do Lodo
  • Pombagira Rainha da Lama
  • Pombagira Rainha do Lôdo
  • Pombagira Cigana Feiticeira
  • Pombagira Rainha Dama da Noite
  • Pombagira Rainha Feiticeira
  • Pombagira Rosa Vermelha
  • Pombagira Rosa Vermelha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Maria Quitéria do Cemitério
  • Pombagira Maria Quitéria do Cruzeiro das Almas
  • Pombagira Maria Quitéria do Lôdo

XANGÔ

  • Exú Pinga Fogo
  • Exú Fagulha
  • Exú Brasa
  • Exú Gira Mundo
  • Exú Faísca
  • Exú Lavareda
  • Exú Tiriri
  • Exú 7 Pedreiras
  • Exú 7 Pedras
  • Exú 7 Montanhas
  • Exú 7 Chaves
  • Exú Tranca Gira
  • Exú 7 Trovões
  • Exú Arranca-Toco
  • Exú da Pedreira
  • Exú do Trovão
  • Exú 7 Capas
  • Exú da Meia Noite
  • Exú 7 Giras
  • Pombagira 7 Chaves
  • Pombagira do Trovão
  • Pombagira Rainha da Encruzilhada
  • Pombagira Rainha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Rainha do Cabaré
  • Pombagira 7 Saias
  • Pombagira Rainha da Estrada
  • Pombagira da Lira
  • Pombagira da Tronqueira
  • Pombagira Cigana Menina
  • Pombagira Cigana Rainha
  • Pombagira Cigana Sete Saias
  • Pombagira Maria da Estrada
  • Pombagira da Calunga
  • Pombagira da Encruzilhada
  • Pombagira da Figueira
  • Pombagira Dama da Noite
  • Pombagira 7 Saias da Encruzilhada
  • Pombagira 7 Saias da Estrada
  • Pombagira 7 Saias do Cabaré
  • Pombagira das Sete Liras
  • Pombagira do Cabaré
  • Pombagira Rainha Maria Padilha

 OBÁ

  • Exú Tranca Gira
  • Exú Tranca Tudo
  • Exú Gira Mundo
  • Exú Gira Fogo
  • Exú Gira Tudo
  • Exú Rei da Meia Noite
  • Exú 7 Capas
  • Exú Quebra Galho
  • Exú 7 Giras
  • Exú Rei das 7 Encruzilhadas
  • Exú Cigano da Encruzilhada
  • Exú 7 Encruzilhadas
  • Exú 7 Sombras
  • Exú Rei das Trevas
  • Exú da Capa Branca
  • Exú Destranca Rua
  • Exú 7 Porteiras
  • Exú Rei das 7 Porteiras
  • Pombagira Maria Navalha
  • Pombagira Rainha 7 Navalhas
  • Pombagira 7 Navalhas
  • Pombagira Rainha Maria Quitéria da Encruzilhada
  • Pombagira Rainha Maria Quitéria da Estrada
  • Pombagira Maria Quitéria da Figueira
  • Pombagira Maria Quitéria da Mata
  • Pombagira Maria Quitéria da Praia
  • Pombagira Maria Quitéria da Tronqueira
  • Pombagira Maria Quitéria do Cabaré
  • Pombagira Maria Quitéria do Campo
  • Pombagira Maria Quitéria do Porto
  • Pombagira Maria Quitéria dos 7 Cruzeiros
  • Pombagira Rainha dos 7 Caminhos
  • Pombagira 7 Porteiras
  • Pombagira 7 Punhais
  • Pombagira 7 Saias da Campina
  • Pombagira 7 Saias da Encruzilhada
  • Pombagira 7 Saias da Figueira
  • Pombagira 7 Saias da Lira
  • Pombagira 7 Saias da Praia
  • Pombagira 7 Saias do Cabaré
  • Pombagira 7 Véus
  • Pombagira Rainha Maria Rosa
  • Pombagira Rainha Cigana
  • Pombagira Cigana Esmeralda

EWÁ

  • Exú Tranca Gira
  • Exú Tranca Tudo
  • Exú Rei da Encruzilhada
  • Exú Cigano Vladimir
  • Exú Cigano Ramiro
  • Exú Cigano da Encruzilhada
  • Exú Cigano da Estrada
  • Exú Corta Corta
  • Exú 7 Chaves
  • Exú 7 Giras
  • Exú 7 Luas
  • Pombagira Rainha Cigana
  • Pombagira Rainha 7 Saias
  • Pombagira Cigana da Encruzilhada
  • Pombagira da Figueira
  • Pombagira Rosa da Encruzilhada
  • Pombagira Rosa do Cabaré
  • Pombagira Cigana Rainha
  • Pombagira Cigana Carmencita
  • Pombagira Cigana Dalila
  • Pombagira Cigana Jade
  • Pombagira Cigana Zaíra
  • Pombagira Cigana Tamara
  • Pombagira Cigana da Estrada
  • Pombagira Cigana da Lua
  • Pombagira Cigana da Praia
  • Pombagira Cigana da Rosa
  • Pombagira Rosa Vermelha
  • Pombagira Rosa Vermelha da Encruzilhada
  • Pombagira Rosa Vermelha da Estrada
  • Pombagira Rosa Vermelha da Figueira
  • Pombagira Rosa Vermelha das 7 Encruzilhadas
  • Pombagira Rosa Vermelha do Cabaré
  • Pombagira Estrela de Cristal

O QUE É?

SIGNIFICADO DAS PALAVRAS FALADAS NO CANDOMBLÉ

 

O que é  Orixá?

Resposta: Espírito da natureza, anjo da guarda

O que é Epô?

Resposta: Azeite de dendê

O que é  omin?

Resposta: água

O que é alobaça?

Resposta: Cebola de cabeça

O que é axó?

Resposta: Roupa

O que é ajeum?

Resposta: Comida

O que é oberó?

Resposta: Alguidar, bacia de barro

O que é aqué ou owô ?

Resposta: Dinheiro

O que é deciça?

Resposta: Esteira de tapume

O que é Obá?

Resposta: Rei, nome de uma orixá

O que é obé?

Resposta: Faca

O que é obecuruzu?

Resposta: Tesoura

O que é obexirê?

Resposta: Navalha

O que é odára?

Resposta: Bom, muito

O que é oim?

Resposta: Mel de abelhas

  • Código do Formulário para site Fonte: Babalorixá Itamar de Ogum

LEI ÁUREA

A Lei Áurea (Lei nº 3.353), foi sancionada pela Princesa Dona Isabel, filha de Dom Pedro II, no dia 13 de maio de 1888. A lei concedeu liberdade total aos escravos que ainda existiam no Brasil, um pouco mais de 700 mil, abolindo a escravidão no país. A sanção dessa lei resultou numa vitória dos conservadores que aboliram escravidão sem pagar indenização aos fazendeiros. Para a família imperial, consistiu na perda de apoio político e para os escravos, a liberdade, ainda que sem integração social. Durante 300 anos, ou seja, desde o começo da colonização portuguesa na América, a escravização de seres humanos na África foi uma atividade que trouxe grandes lucros para os portugueses. As feitorias instaladas na África Portuguesa praticamente só viviam deste comércio. A escravidão era vantajosa para todos, uma vez que era baseada no trabalho forçado e sem remuneração dos negros, que eram trazidos da África. Primeiro, eles foram destinados a extrair o pau-brasil, depois nos engenhos de açúcar, nas minas de ouro e nas plantações de café. Também exerciam atividades domésticas, construíam casas, pontes, igrejas e ainda realizavam trabalhos artísticos. Como se pode perceber, durante o período colonial, todas as tarefas braçais eram baseadas na mão de obra escrava. Esta era comprada pelos latifundiários, os quais pagavam impostos para a metrópole. No final do século XIX, no entanto, o mundo consolidava o modo de produção industrial, onde a força humana já não era imprescindível. O regime escravocrata entra em decadência e vários países europeus declaram extinta a escravidão em seus países. Mais tarde o fariam em suas colônias. Da mesma forma, os abolicionistas, negros alforriados, e o Reino Unido, a Família Imperial, pressionam o governo brasileiro a abolir a escravidão. No dia 13 de maio de 1888, o Senado se reuniu para discutir a lei da abolição que saiu aprovada. Imediatamente, o documento foi levado para o no Paço da Cidade do Rio de Janeiro, onde a Princesa Isabel, como regente do império, aguardava para sancioná-la. Ao lado de senadores, tal qual Manuel Pinto de Sousa Dantas (1831-1894), o Senador Dantas, e outras autoridades do Império, a Regente assina a Lei Áurea (Lei nº 3.353), que declara extinta a escravidão no Brasil. A Lei tinha apenas 2 artigos: Dizem que o barão de Cotegipe, ao receber a lei assinada, teria dito a princesa Isabel: "Vossa Alteza Imperial, ganhou a aposta, redimiu uma raça, mas perdeu o trono".

  • Código do Formulário para site Fonte: Toda matéria

HISTÓRIA DO EXÚ TRANCA RUA DAS ALMAS

Em sua vida carnal, seu nome foi Geraldo Branco Compostella, diferente dos relatos cantados em pontos, Tranca Rua não foi de fato um médico… Na verdade, ele foi uma espécie de curandeiro, sua especialidade era a extração de dentes, trabalhava com ervas virgens e em especial com cascas de uma arvore que tinha próximo ao seu castelo. Era um homem muito rico, nascido em berço de ouro, Geraldo quando jovem tinha vontade de se tornar um padre em um mosteiro em sua cidade (Galícia ,na Espanha), seu sonho foi interrompido durante uma missa cujo qual ficou em seu pensamento um distinta senhora que havia ido se confessar. Ele passou então a frequentar a todas as missas, tentando desesperadamente encontrar essa mulher, depois de um mês quando estava na ante sala da igreja, ele ouviu uma voz suave chamando pelo padre, e para sua surpresa era a tal mulher dos seus pensamentos. Sem pensar em nada fingiu ser o padre, a mulher então beijou lhe a mão e pediu para que ele lhe perdoasse seus pecados. Ela relatou que a bruxaria fazia parte de sua vida e nada poderia fazer para afasta-la de seus caminhos e que estava saindo daquela cidade por que temia que a inquisição a julgasse. Nesse mesmo momento Geraldo se calou e disse a mulher: “Desde que te vi pelas missas não consigo pensar em outra coisa a não ser você, não sei se estou enfeitiçado, mas o que sinto é mais que o suficiente, se você vai sair desta cidade que seja comigo.” Geraldo voltou ao seu castelo, se desfez dos seus bens e deixou a cidade, junto com sua amada. Com o passar do tempo, ele começou a se envolver com os segredos e mistérios da feitiçaria, praticada por sua mulher. Ele aprendeu a trabalhar para o bem e mesmo sem praticar, conheceu os segredos do mal. Certo dia, sua esposa adoeceu e nenhum feitiço ou magia deram conta de cura-la. Mesmo se tornando um mestre na arte das magias, Geraldo se viu obrigado a trabalhar com forças ocultas para salvar sua amada. Ela tinha sido enfeitiçada por outras bruxas, que usaram todo o poder do lado negro. Sem nunca trabalhar, mas conhecendo alguns mistérios do lado sombrio, ele conseguiu invocar uma presença tão forte, que não tinha mais como voltar atrás. Em troca da saúde de sua esposa, Geraldo entregaria a sua alma para as trevas. O trato foi feito, e na manhã seguinte, sua esposa estava curada, esbanjando saúde… O casal viveu feliz por vários anos. Certa noite, Geraldo desperta com gritos e gemidos agonizantes, novamente, sua amada estava doente. Feitiços, encantamentos e magias foram feitos, sem resultado algum… Sendo a sua única alternativa, novamente ele invocou as trevas, pedindo ajuda. Desta vez, nem as trevas poderiam ajudar, pois chegara a hora do juízo final. Geraldo estava perdendo sua esposa. As trevas disseram: “Desta vez, chegou a hora, nem mesmo eu, consigo prolongar a passagem dessa alma no seu mundo. O máximo que posso fazer, é prolongar por mais 3 dias, sem dor e sem sofrimento… mas no final do terceiro dia, o seu fim chegará, e será como o fim das outras irmãs (referindo-se a bruxas)…” Preparado para o que estava por vir, o casal viveu os últimos 3 dias como se fossem os 3 primeiros, com amor, fartura e muita cumplicidade… Na noite do terceiro dia, uma vela iniciou o fogo no humilde casebre… Geraldo acordou em meio a chamas, e viu sua mulher indo em direção á rua… Sem pensar, ele correu para junto de sua amada, dos dois desmaiaram a beira do incêndio. Na manhã seguinte, Geraldo acorda sozinho, assustado, entra no que sobrou do casebre e encontra o corpo de sua amada… queimada, deitada na cama onde dormiam. Seu desespero foi tanto, que mais uma vez ele invocou as trevas, dessa vez, pedindo para ser levado, para ficar junto de sua amada. As trevas disseram: “Mesmo que o senhor parta agora, não poderá ficar junto a sua amada, pois o espírito dela está em revolta e ainda teria que pagar por todos os pecados cometidos… até o espírito se encontrar, ela ficará vagando. Mas, eu vejo que, o que sentes é amor verdadeiro, e como sua alma me pertence, a partir de agora, você será chamado de Tarchimache, e passará a ser o guardião dos caminhos do obscuro. Cuidará das almas revoltadas, mostrando o caminho da luz, para que elas possam reencarnar novamente. Ficará a sua alçada, destrancar ou trancar os caminhos do submundo, e conforme a sua evolução, ficará responsável por cuidar os caminhos dos humanos e fazer a ligação e entrega dos seus pedidos a quaisquer falanges. Sendo assim, o senhor poderá ir comigo e iniciar a sua missão, resgatando sua amada.” O trato foi realizado, e Tarchimache iniciou a sua missão… sua evolução foi tanta, que em pouco tempo ele já estava presente em todas as falanges existentes… Popularmente conhecido como Tranca Rua, ele teve autorização para desenvolver suas próprias falanges, para ajudar ás demais falanges do mundo espiritual.

 

 

  • Código do Formulário para site Fonte: Só Axé

HISTÓRIA DE SANTO ANTONIO

Santo Antonio ou Fernando Antônio de Bulhões, seu nome de nascença, nasceu em Lisboa, Portugal, em 15 de agosto do ano de 1195. De família nobre e rica, era filho único de Martinho de Bulhões, oficial do exercito de Dom Afonso e de Tereza Taveira. Sua formação inicial foi feita pelos cônegos da Catedral de Lisboa. Antônio gostava de estudar e de ficar mais recolhido. Aos 19 anos entrou para o Mosteiro de São Vicente dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho, contra a vontade de seu pai. Morou lá por 2 anos. Com uma grande biblioteca em mãos, Antônio avança na sua história pelo estudo e pela oração. É transferido para Coimbra, que é um importante centro de estudos de Portugal, ficando lá por 10 anos. Em Coimbra ele foi ordenado sacerdote. Logo se viu o dom da palavra que transbordava do jovem padre agostiniano. Ele tinha conhecimento e grande poder de pregação. Em Coimbra o Padre Antônio conhece os freis franciscanos, entusiasma-se pelo fervor e radicalidade com que estes viviam o Evangelho e, pouco depois, torna-se Frei Antônio, mudando-se para o mosteiro de São Francisco de Assis. Santo Antonio faz o pedido de ir para o Marrocos pregar o evangelho e os Franciscanos permitem. No meio do caminho, porém, Frei Antônio fica muito doente e é forçado a voltar para Portugal. Na viagem de volta, o barco é desviado e vai para Itália, terminando por parar na Sicília, em um grande encontro de mais de 5 mil frades franciscanos chamado Capítulo das Esteiras. Lá, Antônio conhece pessoalmente São Francisco de Assis. A mão de Deus o tinha guiado por caminhos diferentes. Após conhecer São Francisco, Frei Antônio passa 15 meses como um eremita no monte Paolo. São Francisco enxerga os dons que Deus deu a ele, chama-o de Frei Antônio, meu Bispo e o encarrega da formação teológica dos irmãos do Mosteiro. No capítulo geral da ordem dos franciscanos ele é enviado a Roma para tratar de assuntos da ordem com o Papa Gregório IX, que fica impressionado com sua inteligência e eloquência e o chama de Arca do Testamento. Tinha uma força irresistível com as palavras e São Francisco o nomeou como o primeiro leitor de Teologia da Ordem. Em seguida, mandou-o estudar teologia para ensinar seus alunos e pregar ainda melhor. Juntavam-se as vezes mais de 30 mil pessoas para ouvi-lo pregar, e muitos milagres aconteciam. Após a morte de São Francisco, ele foi enviado a Roma para apresentar ao Papa a Regra da Ordem de São Francisco. Protetor das coisas perdidas. Protetor dos casamentos. Protetor dos pobres. É o Santo dos milagres. Fez muitos ainda em vida. Durante suas pregações nas praças e igrejas, muitos cegos, surdos, coxos e muitos doentes ficavam curados. Redigiu os Sermões, tratados sobre a quaresma e os evangelhos, que estão impressos em dois grandes volumes de sua obra. Santo Antônio morreu em Pádua, na Itália, em 13 de junho de 1231, com 36 anos. Por isso ele é conhecido também como Santo Antônio de Pádua. Antes de falecer nas portas de Pádua, Santo Antônio diz: ó Virgem gloriosa que estais acima das estrelas. E completou, estou vendo o meu Senhor. Em seguida, faleceu. Os meninos da cidade logo saíram a dar a notícia: o Santo morreu. E em Lisboa os sinos das igrejas começaram a repicar sozinhos e só depois o povo soube da morte do Santo. Ele também é chamado de Santo Antônio de Lisboa, por ser sua cidade de origem. Aconteceram tantos milagres após sua morte, que onze meses após ele foi beatificado e canonizado. Quando seu corpo foi exumado, sua língua estava intacta. São Boaventura estava presente e disse que esse milagre era a prova de que sua pregação era inspirada por Deus. Está exposta até hoje na Basílica de Santo Antônio na cidade de Pádua. Sua canonização foi realizada pelo Papa Gregório IX, na catedral de Espoleto, em 30 de maio de 1232, sendo o processo mais rápido da história da Igreja. Em 1934 foi declarado Padroeiro de Portugal. Em 1946 foi proclamado Doutor da Igreja pelo Papa Pio XII.

  • Código do Formulário para site Nosso WhatsApp: (33) 9.9903-7407

HISTÓRIA DE SÃO JORGE

São Jorge nasceu em 275, na antiga região chamada Capadócia. Hoje, esta região é parte da Turquia. O pai de Jorge era militar e faleceu numa batalha. Após a morte do pai, Jorge e sua mãe, chamada Lida, mudaram-se para a Terra Santa.Lida era originária da Palestina. Era uma mulher que possuía instrução e muitos bens. Ela conseguiu dar ao filho Jorge uma educação esmerada. Ao atingir a adolescência, Jorge seguiu a carreira de muitos jovens da época e entrou para a carreira das armas, pois tinha um temperamento naturalmente combativo. Tanto que logo ele se tornou capitão do exército romano. Jorge tinha grandes habilidades com as armas e muita dedicação.Por causa dessas qualidades o imperador Diocleciano deu a ele o título nobre de conde da Capadócia. Assim, com apenas 23 anos, Jorge passou a morar na alta corte de Nicomédia. Nesse tempo, ele exerceu o cargo de Tribuno Militar. Quando sua mãe faleceu, Jorge recebeu a herança que lhe cabia e foi enviado para um nível mais alto ainda: a corte do imperador. Lá, porém, quando começou a ver a crueldade com que os cristãos eram tratados pelo império romano que ele servia, mudou seu pensamento. Ele já conhecia o cristianismo por causa da influência de sua mãe e da Igreja de Israel. Então, ele deu um primeiro passo de fé: distribuiu todos os seus bens aos pobres.Mesmo sendo membro do alto escalão do exército, ele quis a verdadeira salvação prometida pelo Evangelho que ele já conhecia. Porém, o imperador Diocleciano tinha outros planos. Sua intenção era eliminar os cristãos. Assim, no dia em que o senado confirmaria o decreto do imperador que autorizaria a eliminação dos cristãos, Jorge levantou-se na tribunae se declarou espantado com esta decisão, que julgava absurda. Ele ainda disse diante de todos que os romanos é que deveriam assumir o cristianismo em suas vidas. Todos ficaram muito surpresos quando ouviram palavras como essas vindas da boca de um membro da suprema corte de Roma. Questionado por um cônsul sobre o porque dessas palavras, Jorge respondeu-lhe que estava dizendo aquilo porque acreditava na verdade e, por ser esta a verdade, a defenderia a todo custo. Mas, “o que é a verdade?”, perguntou o cônsul. Jorge respondeu: "A Verdade é meu Senhor Jesus Cristo, a quem vós perseguis, e eu sou servo de meu redentor Jesus Cristo, e Nele confiando me pus no meio de vós para dar testemunho da Verdade". O Imperador, furioso ao ver o cristianismo infiltrado no império, tentou obrigá-lo a desistir da fé cristã. Por isso, enviou-o a sessões de torturas violentas e terríveis. Assim, depois de cada tortura, Jorge era levado de volta ao imperador. Este lhe perguntava se, depois da tortura,abandonaria a fé cristã.Jorge, Porém, reafirmava sua fé, cada vez com mais coragem. Muitos romanos ao presenciarem estes fatos, tomaram as dores de Jorge, até mesmo a própria esposa do imperador. Aliás, mais tarde, ela se converteu à fé em Jesus Cristo.Por fim, Diocleciano, vendo que não conseguiria dissuadir Jorge de sua fé, mandou que ele fosse degolado. Era o dia 23 de abril do ano 303. Aconteceu na cidade de Nicomédia, na Ásia Menor. Os cristãos recolheram o corpo de São Jorge e veneraram seus restos mortais como relíquias. Isso porque, todo mártir, ou seja, aquele que é morto por causa da fé em Jesus Cristo, se torna santo. Mais tarde, os cristãos levaram as relíquias de São Jorge para a antiga cidade de Dióspolis, onde ele crescera. Lá, seu corpo foi sepultado. Anos mais tarde o primeiro imperador cristão chamado Constantino,conhecendo a bela história de São Jorge, mandou que fosse construído um oratório. Sua intenção era que a devoção a São Jorge se espalhasse por todo o império. Por volta do século V, já se contavam cinco igrejas dedicadas a São Jorge na capital do império no Oriente, chamada Constantinopla. Mais tarde, no vizinho país do Egito, foram construídas quatro igrejas e mais quarenta conventos dedicados a São Jorge. São Jorge passou a ser venerado como sendo dos maiores santos da Igreja Católica em várias regiões como na Armênia, em Bizâncio e no Estreito de Bósforo, na Grécia. De acordo com uma lenda, São Jorge fez acampamento com sua legião romana numa região próxima a Salone, Líbia, no norte da África. Lá, diziam haver um enorme dragão com azas. O animal devorava pessoas da cidade como cordeirinhos.Diziam que o hálito daterrivel criatura era tão venenoso que qualquer um que se aproximasse poderia morrer por envenenamento. Com o intuito de manter a besta longe da cidade, eles ofereciam ovelhas como alimento. Ao acabarem, começaram a oferecer crianças. O sacrifício caiu então sobre a filha do Rei de 14 anos, Sabra. A menina foi em direção à seu cruel destino e deixou a muralha da cidade, ficou ali à espera da criatura. São Jorge, ao ficar sabendo da história, decidiu por fim a tudo isso. Montou seu cavalo branco e partiu para a batalha. Antes, porém,exigiu que o rei desse sua palavra: se trouxesse sua filha de volta, o rei e todo o reino se converteria ao cristianismo. O rei aceitou e deu sua palavra. Jorge, então, partiu para a luta com tal "dragão". Depois de muita luta e oração, Jorge acertou a cabeça do dragão com sua poderosa espada que era chamada deAscalon. Depois, São Jorge cravou sua espada debaixo da asa do dragão, num local que tinha escamas. Assim, o dragão foi ferido mortalmente e caiu sem vida. São Jorgeamarrou a fera e a levou arrastadaaté a cidade, levandoconsigo a princesa. Lá, São Jorge, sendo observado pela multidão, cortou a cabeça do fez com todas as pessoas da cidade se tornassem cristãs. O dragão simboliza a idolatria que mata inocentes e causa destruição. A idolatria é destruída pelas armas da Fé. A jovem que São Jorge salvou representaria a região da qual ele combateu heresias e instalou a fé cristã.

  • Código do Formulário para site Nosso Whatsapp: (33) 9.9903-7407
Pagina 1 de 2